segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Um ar mais crescido

Amanhã completo a muito simbólica idade de 33 anos. A idade de Cristo. Um terço de século.
Apesar das responsabilidades de pai de família, continuo a sentir-me nalgumas coisas um puto de 20. E não é só a frescura de espírito, são também coisas exteriores. Não me refiro, obviamente, aos 20 quilos que me distanciam dos meus 20 anos; nesse aspecto, devia ter mais cuidado para recuperar uma volumetria mais jovem. Estava, sim, a pensar na diferença de indumentária em relação à maioria dos pais com que me cruzo de manhã no infantário. Tenho a sorte de poder ir vestido para o trabalho como bem me apetece, o que, num tipo calorento como eu, significa andar metade do ano de calções e Paez. E isto, meus amigos, acreditem que me tira anos de cima!
Talvez por não ter essa obrigação nos dias comuns, dá-me gozo vestir um fato numa ocasião formal, e mais gozo ainda aquele lusco-fusco do casual-chic. No primeiro caso, a pinta de um gajo joga-se na gravata; no segundo caso, nos sapatos. E foi por aqui que investi no meu auto-presente de aniversário deste ano, que já recebi via Amazon. Já tive vários blogues, mas faltavam-me uns brogues. A Maria suspira cada vez que vê mais um par de sapatos a entrar em casa, mas foi mais forte do que eu...
Enviar um comentário